Sereia e Golfinhos.... realidade da alma

Sereia e Golfinhos.... realidade da alma
Nada mais lindo que sonhar com sereias e golfinhos. Ligação com o mar que fortalece meu nome, Iara e me dá identidade

"A única coisa imutável no Universo é que tudo é mutável" Ditado Chines.

"A única coisa imutável no Universo é que tudo é mutável" Ditado Chines.
Mais um presente da Natureza...

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Cérebro Eficiente

Nosso Cérebro

O nosso cérebro é doido!!!

De aorcdo com uma peqsiusa de uma uinrvesriddae ignlsea, não ipomtra em qaul odrem as Lteras de uma plravaa etãso, a úncia csioa iprotmatne é que a piremria e útmlia Lteras etejasm no lgaur crteo. O rseto pdoe ser
uma bçguana ttaol, que vcoê anida pdoe ler sem pobrlmea.
Itso é poqrue nós não lmeos cdaa Ltera isladoa, mas a plravaa cmoo um tdoo.

Fixe seus olhos no texto abaixo e deixe que a sua mente leia corretamente o que está escrito.

35T3 P3QU3N0 T3XTO 53RV3 4P3N45 P4R4
M05TR4R COMO NO554 C4B3Ç4 CONS3GU3 F4Z3R
CO1545 1MPR3551ON4ANT35! R3P4R3 N155O!
NO COM3ÇO 35T4V4 M310 COMPL1C4DO, M45
N3ST4 L1NH4 SU4 M3NT3 V41 D3C1FR4NDO O
CÓD1GO QU453 4UTOM4T1C4M3NT3, S3M
PR3C1S4R P3N54R MU1TO, C3RTO? POD3 F1C4R
B3M ORGULHO5O D155O! SU4 C4P4C1D4D3 M3R3C3!
P4R4BÉN5!

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Música que adoro....


Non Je Ne Regrette Rien (tradução)

Edith Piaf cantada por Marion Coutillard

Composição: Michel Vaucaire/Charles Dumont

Não, De Jeito Nenhum

Não, de jeito nenhum
Não, eu não me arrependo de nada
Nem o bem que me fizeram,
Nem o mal, tudo me parece igual

Não, de jeito nenhum
Não, eu não me arrependo de nada
Está pago, varrido, esquecido
Eu estou farta do passado

Com minhas lembranças,
Eu alimentei o fogo
Minhas aflições, meus prazeres
Eu não preciso mais deles

Varri meus amores
Junto a seus aborrecimentos
Varri por todo dia
Eu volto ao zero

Não, de jeito nenhum
Não, eu não me arrependo de nada
Nem o bem que me fizeram,
Nem o mal, tudo me parece igual

Não, de jeito nenhum
Não, eu não me arrependo de nada
Minha vida, Minhas jóias
Hoje
Começa com você

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Pequeninos....



Que nossas crianças recebam todo o amor possível para que aprendam a amar. Que recebam sorrisos diários para que possam saber o quanto é bom dar e receber sorrisos. Que possam receber o pão da alma, do corpo e do coração. Que sejam amparadas em muitos abraços e que se lhes permitam abraçar muito! Que em cada palavra ouvida, o amor possa tocar suas almas. Que em cada erro cometido recebem uma palavra de compreensão daqueles que as ensinam. Que possam ser reprodutoras de afeto, tolerância, amizade e respeito pelo próximo. Que venham ao mundo para modificá-lo e não para perpetuá-lo.

Que sejam sempre recebidas como uma benção e uma alegria.

Que possam, acima de tudo, ser CRIANÇAS!

Que venham a nós os pequeninos, e a cada um deles possamos receber com os braços e coração abertos e com um sorriso de amor e alegria, porque deles é o Reino dos Céus manifestado na Terra hoje e para sempre.


segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Epitáfio



Epitáfio
Titãs

Composição: Sérgio Britto

Devia ter amado mais
Ter chorado mais
Ter visto o sol nascer
Devia ter arriscado mais
E até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer...

Queria ter aceitado
As pessoas como elas são
Cada um sabe alegria
E a dor que traz no coração...

O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...

Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr
Devia ter me importado menos
Com problemas pequenos
Ter morrido de amor...

Queria ter aceitado
A vida como ela é
A cada um cabe alegrias
E a tristeza que vier...

O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...(2x)

Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr...




Lisboa...

video

Um gesto de amor

video



Saudade do tempo em que apesar de haver distância, havia palavra...
Saudade do tempo em que às palavras fluíam, independente dos problemas que afligiam nossas almas...
Saudade de um tempo tão recente, mas que parece que séculos se passaram...
Aí esta a relatividade do tempo e de toda percepção...
Saudade maior que o possível, perto do relativo pouco tempo de contato e amizade... Mas amizade não exige tempo... Amizade e carinho nascem de um olhar e compreendem o encontro...
E depois?? Depois vem o sentir, viver, partilhar...
E o sentimento cresce à medida que se rega...
E minha saudade me traz lembrança de memória que pede pra voltar... Mesmo sem nunca se ter ido...
Quisera ter-te, meu amigo, de volta!
Tanto não falamos e ao mesmo tempo, tanto foi dito.
Sinto saudades... Parecem-me tão poucas as vezes que um encontro assim acontece...
Mas você se foi... A vida escolheu assim... E em mim fica uma sensação rara, talvez sentida poucas vezes... Uma sensação de nem sempre entender os caminhos da vida... De talvez ter me expressado pouco... De não estar lá quando você ainda estava nesse mundo...
/>Amigo querido, ainda não consigo acreditar que um dia destes, você esteve aqui e hoje já não está... A tua amizade eu não perdi... Pois sei que em algum lugar você ainda olha para mim e sorri... Seu sorriso aberto, às vezes tímido de menino meio assustado com o mundo... Queria nada além de continuar a ter-te por esse mundo e sentir a imensa paz que invadia meu coração nas nossas risadas e conversas. Amigo, Irmão, companheiro de muitas risadas, que os Anjos iluminem sua caminhada entre as estrelas... E que de lá ainda possa eu perceber o som inconfundível de teu sorriso a iluminar o mundo.



Encosta-te a Mim
Jorge Palma

Composição: Andre Hollanda

Encosta-te a mim,
nós já vivemos cem mil anos.
Encosta-te a mim,
talvez eu esteja a exagerar.
Encosta-te a mim,
dá cabo dos teus desenganos
não queiras ver quem eu não sou,
deixa-me chegar.

Chegada da guerra,
fiz tudo p´ra sobreviver, em nome da terra,
no fundo p´ra te merecer
recebe-me bem,
não desencantes os meus passos
faz de mim o teu herói,
não quero adormecer.

Tudo o que eu vi,
estou a partilhar contigo
o que não vivi, hei-de inventar contigo
sei que não sei
às vezes entender o teu olhar
mas quero-te bem,
encosta-te a mim.

Encosta-te a mim,
desatinamos tantas vezes.
Vizinha de mim,
deixa ser meu o teu quintal,
recebe esta pomba que não está armadilhada
foi comprada, foi roubada, seja como foi.

Eu venho do nada
porque arrasei o que não quis
em nome da estrada, onde só quero ser feliz.
Enrosca-te a mim,
vai desarmar a flor queimada,
vai beijar o homem-bomba, quero adormecer.

Tudo o que eu vi,
estou a partilhar contigo, e o que não vivi,
um dia hei-de inventar contigo
sei que não sei, às vezes entender o teu olhar,
mas quero-te bem.

Encosta-te a mim

Encosta-te a mim

Quero-te bem.

Encosta-te a mim.